Nossa História

No início...

  Era década de 60 e na pequena cidade de Botuverá, num tempo em que a energia elétrica era algo distante, a roda d’água ajudava a engrenar a fabricação de móveis e beneficiamento de madeira, que praticamente era feito manualmente e sem ajuda de máquinas. Para o cenário ficar completo, além de ferramentas como o trado, a pua, o serrote, o martelo e o cepilho, não podia faltar o ‘braço forte’ e o ‘espírito empreendedor’ do jovem Valdir Domingos Paloschi, que desde os 13 anos aprendera a dar formas à madeira e a torná-la útil ao homem, tal qual uma obra de arte. A paixão pela marcenaria era alimentada com a fabricação de móveis como guarda-roupas, guarda-comidas, mesas, sofás, colchões de mola e também de rodas de carroças. Mas, amor de verdade, quem despertou em Valdir, foi uma bela moça, filha de agricultores que cultivavam milho e arroz.
  Paralelo ao casamento com Leonora Maria Pedrini, em 2 de maio de 1959, o sonho do negócio próprio foi se tornando realidade e, em 1961, Valdir conquistou a sua almejada marcenaria. “No lugar onde eu trabalhava deixaram de fazer rodas de carroça e então decidi continuar fazendo esse tipo de trabalho por conta própria. Peguei dinheiro emprestado e, em um rancho nos fundos de casa, ao lado da estrebaria das vacas e de onde guardávamos milho e outros produtos da roça, teve início a PALOSCHI”, descreve Valdir com orgulho. Assim como a família foi se formando com a chegada dos filhos Mercedes, Vilmar, Marlete, Wilson, Valdecir, Miriam e Roberto, os negócios também cresciam. Além da marcenaria, o casal mantinha uma venda de secos e molhados onde comercializava entre outras mercadorias, produtos da própria roça.

... A roda d'água

  A roda d’água já não era suficiente e o motor a diesel proporcionou mais ritmo à oficina, que diante da alta produção do fumo, se viu frente a uma nova demanda de mercado: a construção de casas de madeira para os recém-chegados agricultores a Botuverá. “O trabalho foi sendo aprimorado. O pequeno negócio foi tomando forma de uma empresa e novos desejos passaram a ser almejados. O principal meio de transporte eram os carros de mola. Não existiam veículos na cidade e eu queria comprar um carro para fazer as entregas”, revela Valdir. Rapidamente, o fortalecimento da empresa foi dando espaço a novas conquistas. A PALOSCHI foi uma das primeiras empresas da cidade a registrar funcionários e a emitir nota fiscal. O tão sonhado carro – uma pick up jeep – também foi um dos primeiros da região. “Pude ajudar muita gente com meu carro. Levava os doentes e as mulheres grávidas para o hospital e atendia outras emergências. Sentia-me muito bem em ajudar”, garante o dinâmico empreendedor, não deixando de registrar também que em 1985 participou da fundação da primeira Fiação de Botuverá.
  A participação dos filhos foi essencial para a ampliação dos negócios. Por algum tempo, a família trabalhou unida, aos poucos cada um foi tomando seu rumo, com exceção de Valdecir e Vilmar que continuaram trabalhando na fábrica de móveis. O casal empreendedor Valdir e Leonora estão à frente daquela que antes era uma pequena vendinha de secos e molhados e que hoje se transformara em uma loja de materiais de construção e eletrodomésticos , localizada no centro de Botuverá. Assim como a chegada da energia elétrica impulsionou a produção, possibilitando o uso de máquinas, o envolvimento dos irmãos Valdecir e Vilmar permitiu que a Paloschi se transformasse em uma grande indústria de móveis para banheiro.

O impulso da energia elétrica

  Assim como a chegada da energia elétrica impulsionou a produção, possibilitando o uso de máquinas, o envolvimento dos irmãos Valdecir e Vilmar permitiu que a Paloschi se transformasse em uma grande indústria de móveis para banheiro.
   O trabalho começou cedo. Com 12 anos Valdecir fazia cabeceiras de cama de mola. Vilmar, durante o dia trabalhava na marcenaria e de noite fazia entregas pela região. Os irmãos recordam os tempos em que a empresa ‘fazia de tudo’. Guardacomidas era um dos móveis mais vendidos. Também fazíamos camas de crianças, guarda-roupas, janelas, portas, cadeiras e mesas.
   Em 1998, a empresa de móveis passou a ser administrada por Valdecir e Vilmar trabalhando exclusivamente com móveis para banheiro. Na época, os balcões eram feitos com madeira envernizada e nós inovamos com o uso de pinus laqueado. Fomos uma das primeiras empresas a usar MDF. Lembro que comprávamos cerca de dez chapas por vez e a produção começou bem modesta”, conta Vilmar.
   Os irmãos atribuem o sucesso da empresa à competência e ao zelo com a qualidade, entrega e atendimento pós venda. “Com certeza, o que colhemos hoje é fruto de muito trabalho. São mais de 50 modelos produzidos por meio de uma estrutura de 3.000 metros quadrados e 30 funcionários, que atendem cerca de 1.200 clientes com foco em Santa Catarina e Paraná. Trabalhamos também com uma grande preocupação ambiental, sendo que só utilizamos madeira reflorestada como matéria-prima e preservamos duas áreas de mata nativa”, consideram os irmãos.
   As sementes lançadas por Valdir já renderam bons frutos e certamente renderão muitos outros, isso porque a terceira geração deve dar continuidade aos negócios. “Esperamos que os filhos sigam nosso exemplo. Nós aprendemos muitas coisas com o pai e o pai aprendeu muitas coisas com a gente. A vida é assim: temos que almejar coisas que podemos tornar realidade e lutar para fazer acontecer”, afirmam Vilmar e Valdecir.